Previous Next

Solenidade de Posse da Primeira Geração de Acadêmicos

A Academia Cearense de Administração (ACAD), fundada em 6 de fevereiro de 2013, realizou na sexta-feira (18/10/2013) às 19H, na Academia Cearense de Letras, a Posse Solene da primeira geração de Acadêmicos.

Solenidade de posse dos novos acadêmicos da (ACAD). Na noite de quinta-feira, foram empossados na Academia Cearense de Administração (ACAD).

 

Discurso de Instalação da Academia Cearense de Administração-ACAD

Proferido pelo Professor Doutor João Alves de Melo

Primeiro Presidente da ACAD

 

Saudação às autoridades,

Saudação aos convidados,

Saudação aos familiares dos Acadêmicos e dos Patronos,

Saudação à imprensa,

Senhoras e senhores,

Aqui estamos reunidos, neste ato solene de posse, os 21 acadêmicos com o status de fundadores da Academia Cearense de Administração, que assumiram a responsabilidade de dar forma e vida a esta Arcádia.

Chegamos com o propósito firme de contribuir para o fortalecimento da ciência da administração, que dentre as neociências surgidas a partir do século XX foi a que mais se desenvolveu.

Um pouco de história contribui para um nivelamento das senhoras e senhores que nos honraram com suas presenças, aos VINTE E UM ACADÊMICOS, que à semelhança dos cavaleiros da Távola Redonda do Rei Artur,tem propósito bem definido em estatuto de honrar os princípios definidos por Platão, criador e patrono da academia.

De onde viemos como administradores e para onde vamos.

A administração como ciência é relativamente nova, com pouco mais de um século de existência. A arte e o exercício de administrar, segundo a história da administração, surgiram no ano 5.000 a.C.na Suméria, quando aquele povo procurava uma maneira para melhorar a resolução de seus problemas.

No Egito, na dinastia Ptolemaica (323 – 30 a.C.), foi planejado e dimensionado um sistema econômico, que não poderia ter sido posto em prática sem a utilização de uma administração publica sistêmica e organizada.

Na China de 500 a.C. a Constituição de Chow, contendoas 8 (oito) Regras de Administração Publica de Confúcio, destaca a necessidade de se ter um sistema organizado de governo para o império. Aquela Constituição já contemplava a divisão da administração por área, a exemplo das constituições modernas. O governo Chines à época funcionava apoiado na seguinte departamentalização: 1. O alimento (corresponde ao Ministèrio da Agricultura); o Mercado (correspondente ao atual Ministério da Indústria e Comércio); 3- Os Ritos (equivalente ao Ministério da Cultura); 4- O Ministério do Emprego; 5- O Ministério da Educação; 6- A Administração da Justiça (equivalente ao Ministério da Justiça); 7- A Recepção dos Hospedes (correspondente ao Ministério de Relações Exteriores); 8- O Exército (corresponde ao Ministério da Guerra).

Muitas outras iniciativas históricas podem ser tidas como raízes da administração como arte, tais como, as instituições otomanas e os prelados católicos, que já na Idade Média foram reconhecidos como administradores natos.

Entre os séculos XV e XVI, na Alemanha e na Áustria, de 1550 a 1700, destaca-se o surgimento de um grupo de professores e administradores públicos chamados de Fiscalistas ou Cameralistas.

Os mercantilistas ou fisiocratas franceses valorizavam a riqueza física e o Estado, pois ao lado das reformas fiscais preconizavam uma administração sistemática, especialmente no setor público.

Na evolução histórica da administração, duas instituições se destacaram: a Igreja Católica Romana e as Organizações Militares.

A Igreja pode ser considerada a organização mais formal e mais eficiente da civilização Ocidental. Através dos séculos vem mostrando e provando a força de atração de seus objetivos, a eficácia de suas técnicas organizacionais e administrativas, espalhando-se por todo mundo e exercendo influência, inclusive sobre o comportamento pessoal de seus fiéis.

As Organizações Militares evoluíram das displicentes ordens dos cavaleiros medievais e dos exércitos mercenários dos séculos XVII e XVIII até os tempos modernos com uma hierarquia de poder rígida e adoção de princípios e práticas administrativas comuns a todas as empresas da atualidade.

O fenômeno que provocou o aparecimento da empresa e da moderna administração ocorreu no final do século XVIII e se estendeu ao longo do século XIX, chegando ao limiar do século XX. Esse fenômeno, que trouxe rápidas e profundas mudanças econômicas, sociais e políticas, chamou-se REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.

A Revolução Industrial desenvolveu-se em duas fases distintas: a primeira fase de 1780 a 1860. É a revolução do carvão, como principal fonte de energia, e do ferro, como principal matéria-prima. A segunda fase de 1860 a 1914. É a revolução da eletricidade e derivados de petróleo, como as novas fontes de energia, e do aço, como a nova matéria prima.

E a moderna administração surgiu em resposta as duas conseqüências provocadas pela Revolução Industrial:

- Crescimento acelerado e desorganizado das empresas, que passaram a exigir uma administração cientifica capaz de substituir o empirismo e a improvisação;

- necessidade de maior eficiência e produtividade das empresas, para fazer face à intensa concorrência e competição no mercado.

O difícil é precisar até que ponto os homens da Antiguidade, da Idade Média e até mesmo do inicio da Idade Moderna tinham consciência de que estavam praticando a arte de administrar.

No inicio do século XX, surge FREDERICK W. TAYLOR, engenheiro americano, que apresentou os princípios da ADMINISTRAÇÃO CIENTIFICA e o estudo da ADMINISTRAÇÃO como CIÊNCIA.

Em 1911, Taylor publicou um livro considerado como a bíblia dos organizadores do trabalho: PRINCIPIOS DA ADMINISTRAÇÃO CIENTIFICA, que se tornou um Best Seler no mundo inteiro.

Todos nós administradores, de algum modo, fomos discípulos de TAYLOR,pai da ADMINISTRAÇÃO CIENTIFICA, de FAYOL defensor dos fundamentos da TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO, de ELTON MAYO, criador da TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS, dentre muitos outros que compõem essa galeria de cientistas ilustres, precursores da administração como ciência.

Senhoras e Senhores convidados,

Da administração como arte praticada pelos sumérios há 5000 a.C. até a Revolução Industrial liderada pelos Ingleses decorreram 6.800 anos,tendo esta durado aproximadamente 150 anos.

A partir da segunda metade do século XX uma nova Revolução foi desencadeada com base no desenvolvimento de novas tecnologias. Assim é que em menos de meio século a humanidade viu se encurtarem as distâncias mediante o crescimento acelerado do sistema de comunicação, graças aos satélites postos em órbita, frutos da corrida espacial.

A nova Revolução foi a impulsionadora de um aumento substantivo na eficiência das organizações na consecução dos seus negócios. Os sistemas de gestão foram fortalecidos com a produção, em tempo real, de informações para decisão e o armazenamento de dados possibilitou a recuperação rápida das informações rotineiras.

A globalização da economia viabilizada, também, pela Revolução Tecnológica, transformou o mundo numa aldeia global, onde as transações com bens e serviços se materializam no curto prazo, viabilizando um giro rápido nos fatores de produção.

Ressalte-se, que coube ao administrador, em última análise, todo um processo de ajustamento da máquina produtiva das organizações públicas e privadas, adaptando-as aos novos tempos.

Este processo evolutivo não tem data para finalizar e por essa razão a Academia que ora se instala poderá ser mais uma fonte geradora de novos conhecimentos a serviço do bem-estar da comunidade.

Autoridades Presentes,

A Academia Cearense de Administração nasce como fruto de um trabalho cauteloso de 21 administradores visionáriose comprometidos com a Ciência da Administração, aqui classificados na categoria de fundadores e atingirá a sua maturidade com um quadro de 40 acadêmicos, distribuídos por várias das funções que dão vida à administração, seja ela pública ou privada.

Assim é que dentre os 21 fundadores encontra-se uma representação política composta de um Senador da República, um Deputado Federal e um Vice-Prefeito. Da administração pública integram este quadro de fundadores dois Secretários de Estado e um Presidente de empresa estatal. Representando a Universidade, locus natural de formação de administradores, figuram doze professores, com pos-graduação em nível de mestrado e doutorado.Do campo empresarial vieram três representantes.

Cabe esclarecer sobre os critérios adotados para a escolha dos Patronos. Prevaleceu a liberdade de escolha.Cabendo a cada Acadêmico indicar o Patrono da sua cadeira, tendo como critério:

- a relevante contribuição para o crescimento e fortalecimento da administração pública ou privada;

- o envolvimento com o ensino, pesquisa e extensão, sobretudo, para a formação de administradores;

- a contribuição científica no campo da administração.

Por fim, registramos os agradecimentos da Academia aos familiares dos Patronos, pelo empenho na reconstituição curricular de cada um, resultado este, que de tão bom, deu origem ao livreto aqui distribuído.

Aos familiares dos acadêmicos pelo incentivo e apoio, para que este ato festivo de posse atingisse o brilho que a ocasião requer.

À valorosa corporação da Polícia Militar do Ceará na pessoa do Secretário da SPDS, a Administração Regional do Centro, na pessoa do Secretário Regis Dias, à AMC na pessoa do Presidente Vitor Ciasca, ao Corpo de segurança da Corpys e a Guarda Municipal, nossos sinceros agradecimentos.

Muito Obrigado!

logo
©2019 ACAD. Todos os Direitos Reservados.

Search